• Post category:DIVERSOS

Casar-se para tudo perder

pictogramme terre de dialogue

Norueguesa junta-se à lua-de-mel de seu irmão na Coreia do Norte

un groupe de personnes marchant dans la rue
Solicitei uma foto a um amigo fotógrafo que viajou comigo para a Coréia do Norte. Acima, está uma foto de seu acervo pessoal tirada em 2015, em uma outra viagem. Seu nome é Alex Kühni.

A Experiência

“Meu irmão e minha cunhada haviam se casado na Coreia do Sul alguns dias antes de viajarmos todos juntos para a Coreia do Norte. Então, pode-se dizer que eu me uni à lua-de-mel deles. A Coreia do Norte é um país bastante caricaturizado no Ocidente e nós estávamos ansiosos para vê-lo de perto, mesmo que soubéssemos que o que eles nos mostrariam fosse apenas uma fachada.

A viagem foi incrivelmente interessante, uma mistura entre publicidade e ficção. Entretanto, os momentos mais preciosos para mim foram aqueles em que eu pude ter algum contato com os norte-coreanos. Uma vez, em um parque, dancei uma tradicional coreografia local com um grupo de adolescentes. Sem dizer sequer uma palavra, nós criamos um vínculo muito forte.

Por outro lado, os nossos guias foram a melhor fonte que tivemos sobre a vida cotidiana. Sendo um estrangeiro visitando a Coreia do Norte, você é obrigado a ter dois guias, uma mulher e um homem, um dos quais deve ser obrigatoriamente um membro do partido. Tivemos muita sorte com os nossos guias porque eles estavam tão curiosos sobre nós quanto nós estávamos sobre eles. Logo decidi sentar-me ao lado da mulher nos passeios de ônibus e tivemos muitas conversas sobre nossas vidas e sobre a vida de nossos amigos. Com ela, aprendi que a situação para as mulheres é particularmente difícil na Coreia do Norte. Elas não só enfrentam o exigente sistema comunista, mas a partir do momento em que se casam, elas são também totalmente responsáveis pelas tarefas domésticas e pelos filhos, segundo o confucionismo. Portanto, elas vivem não somente sob um, mas sob dois regimes opressivos.

O que mais me chamou a atenção foi que, segundo a minha guia, o confucionismo se aplicava quase exclusivamente só dentro do casamento. Fora disso, as meninas pareciam ter oportunidades educacionais iguais às dos meninos, e havia até mesmo uma maioria de mulheres nas profissões mais prestigiadas, tais como medicina e pesquisa. No entanto, o partido é dominado por homens, e existem também outras leis que restringem os direitos das mulheres, como por exemplo, a proibição do ciclismo feminino. O que mais me impressionou nesta experiência foi a diversidade dos opressores da mulher. É fato que eles estejam presentes em todas as sociedades, mas nesses casos, são as mulheres solteiras que geralmente vivem sob restrições mais fortes. Na Coreia do Norte, este não é necessariamente o caso. Na verdade, as mulheres solteiras são mais livres do que as casadas. Para a minha guia, a escolha era simples: ela jamais se casaria!”

Quem conta a história?​

A família da Kirsten vive há séculos na Noruega, na verdade somos descendentes diretos de um rei viking.

Quando ela tinha 14 anos, foram à Austrália e, desde então, visito outros 25 países.

Para ela, a experiência mais valiosa é poder mergulhar em uma cultura por um longo tempo. Como resultado, ela viveu em cinco países diferentes na última década e aprendi cinco novos idiomas.

Local : Coreia do Norte

Data : 2011

O que você pensa?​

pictogramme d'ampoule

Como as mulheres solteiras, casadas ou viúvas são percebidas em sua cultura?

Esta experiência o questiona?

Venha e discuta conosco em uma de nossas reuniões!

Participe do nosso Zoom Cultures em outubro de 2022 sobre:

Feminino / Masculino 

(Para nossos Membros e seus Convidados)

Perguntas ? Entre em contato conosco para mais informações.